Como investir no exterior? 5 Alternativas para dolarizar a carteira!

Como investir no exterior? 5 Alternativas para dolarizar a carteira!

Ao pesquisar sobre o mercado financeiro, é comum pensar na possibilidade de investir no exterior e como fazer isso. Afinal, a estratégia pode ampliar as suas oportunidades de investimento e de ganhos, além de colaborar com a diversificação.

O principal motivo para considerar outros países é a variedade de alternativas existentes no mercado internacional. Além disso, muitas pessoas buscam uma maior exposição ao dólar, visando aproveitar a força da moeda ou proteger a carteira.

Para aproveitar oportunidades, é preciso entender como investir no exterior e quais são as opções disponíveis. Continue lendo e descubra 5 alternativas para dolarizar a sua carteira!

Como investir no exterior?

Para começar, é importante saber que existem duas maneiras de fazer investimentos no exterior. A primeira é por meio de uma corretora estrangeira — que dará acesso aos ativos e títulos de outro país de maneira direta.

Nesse caso, é preciso procurar uma empresa que aceite investidores estrangeiros, e depois passar por alguns processos burocráticos. Ainda, é preciso fazer operações de câmbio para obter os dólares e, só então, investir. Isso pode trazer algumas dificuldades e custos ao investidor.

Para ter mais facilidade, é possível contar com outra opção: fazer os aportes no mercado brasileiro. A bolsa de valores brasileira (B3) permite se expor aos mercados internacionais por meio alternativas disponíveis. Também há fundos negociados em corretora com esse objetivo.

Assim, a opção consegue trazer benefícios que podem ser interessantes para quem busca exposição ao mercado internacional. Veja as principais vantagens de investir no exterior por meio do mercado brasileiro:

  • acessibilidade: você consegue acessar as opções por meio da sua corretora de valores no Brasil;
  • menores custos: não é preciso lidar com transferências internacionais ou câmbio para fazer os aportes, pois eles são feitos em reais;
  • ausência de burocracia: o investidor não precisará enfrentar as burocracias que podem existir para manter contas no exterior.

Como você pode ver, essas possibilidades viabilizam o acesso ao mercado externo para diversos investidores. Contudo, é necessário conhecer as alternativas disponibilizadas no Brasil para definir em quais investir.

5 Alternativas para investir no exterior

Agora que você sabe como investir no exterior, é importante conhecer as alternativas para entender se vale a pena. Afinal, mesmo que os investimentos internacionais pareçam atrativos, é preciso verificar quais deles são adequados à sua carteira.

Para tanto, é essencial considerar o seu perfil de investidor e objetivos financeiros. Algumas opções oferecem maiores riscos, além de você se expor às oscilações do dólar. Portanto, lembre-se de avaliar todas as características com atenção para tomar decisões mais acertadas.

Confira a seguir uma lista com 5 opções para fazer investimentos internacionais sem sair do Brasil!

1. Fundos internacionais

Você já conhece os fundos de investimento? Eles consistem em uma modalidade coletiva, que conta com diversos investidores que adquirem as cotas e cujos recursos são administrados por um gestor profissional.

A estratégia do fundo internacional inclui a exposição a ativos de outros países em parcelas maiores do que seria possível em fundos com outras estratégias. Todavia, por ser considerada uma opção de maior risco, ela pode ser restrita.

Geralmente, somente investidores qualificados podem adquirir cotas. Isso significa que é preciso ter mais de R$ 1 milhão investido ou ter certificações para atuar no mercado financeiro, comprovando conhecimento técnico.

2. Fundos cambiais

Outra opção para dolarizar a carteira é por meio dos fundos cambiais. Nesse tipo de fundo, a estratégia é investir em dólar e derivativos atrelados à moeda, que acompanhem as oscilações do câmbio. Por consequência, os resultados do fundo dependem da performance da moeda.

Devido às diferenças em relação aos fundos internacionais, eles são mais acessíveis e também têm maior liquidez. O motivo é que costumam ser criados como fundos abertos, permitindo novos investidores e resgates de cotas a qualquer momento.

Uma das vantagens, presente em qualquer tipo de fundo, é contar com um gestor profissional para escolher e administrar os investimentos. Toda a gestão dos ativos que compõem o fundo é feita pelo gestor, demandando menos o seu tempo.

3. ETFs

Os exchange traded funds (ETFs), ou fundos de índice, contam com uma estratégia que replica determinado indicador do mercado. Como as opções não são limitadas ao Brasil, é possível encontrar fundos atrelados a índices do exterior.

Dessa maneira, o investidor pode se expor a índices internacionais, como o S&P 500 ou o Dow Jones, que fazem parte do mercado dos EUA. Ao acompanhar os resultados de um indicador que se relaciona ao dólar, você também se expõe à moeda.

Na B3 é possível encontrar ETFs vinculados a diversos índices internacionais. Para ver como investir no exterior por meio deles, basta acessar a sua conta na corretora de valores, pesquisar o ticker dos fundos escolhidos e emitir a ordem de compra.

4. BDRs

Os BDRs são os brazilian depositary receipts, ou certificados de depósitos brasileiros. Eles são lastreados em ativos do exterior, como ações, ETFs e títulos de dívidas internacionais. Os certificados podem ser negociados pela B3, acessando o home broker.

Aqui, vale destacar que você não compra diretamente o ativo do exterior, mas um certificado com lastro neles. Funciona assim: uma instituição depositária brasileira adquire os investimentos internacionais e os deixa sob custódia, podendo emitir o BDR referente a eles.

Então, quem investe no BDR tem participação nos resultados dos investimentos estrangeiros. É possível ter ganhos devido ao desempenho da ação, por exemplo, ou com a variação cambial. Caso o dólar suba, seu investimento em reais valerá mais.

5. COE

O COE, ou certificado de operações estruturadas, é outra opção de investimento para quem deseja se expor ao dólar. Ele é montado por uma instituição financeira e formado por diversos tipos de investimento, combinando renda fixa e renda variável.

Por isso, é possível encontrar opções com alternativas atreladas ao dólar em sua composição. Contudo, saiba que não é regra que eles tenham exposição a ativos do exterior ou à moeda americana.

É possível que ele conte apenas com ativos nacionais, sem a dolarização. Logo, antes de investir, verifique todos os detalhes para ter certeza de que ele é adequado às suas expectativas.

Conhecendo as alternativas para dolarizar a carteira e sabendo como investir no exterior por meio do mercado brasileiro é possível ampliar as suas oportunidades. Portanto, estude as possibilidades disponíveis para encontrar aquelas que são mais adequadas para você!

Ainda tem dúvidas sobre o assunto? Entre em contato conosco e converse com um assessor!


Compartilhe: