Fundo de Private Equity: tudo o que você precisa saber sobre ele!

Fundo de Private Equity: tudo o que você precisa saber sobre ele!

 

O investimento em empresas não precisa estar limitado à compra de ações ou de debêntures. Também é possível buscar alternativas para financiar o desenvolvimento dos negócios de outras maneiras, como é o caso do fundo de private equity.

O investimento desse tipo tem características únicas, como o tipo de empresa que recebe os aportes, a duração do investimento e seus objetivos. Portanto, vale a pena conhecê-lo para saber se ele deve fazer parte da sua carteira.

Tem interesse no tema? A seguir, aprenda mais sobre o fundo de private equity e explore essa alternativa de investimento!

O que é um fundo de private equity?

Os fundos de investimento são veículos financeiros coletivos em que os investidores adquirem cotas que dão direito à participação nos resultados. Nesse caso, a alocação dos valores obtidos é feita por um gestor qualificado, que segue a estratégia aprovada para o fundo.

Porém, apesar de os fundos de private equity seguirem essa proposta geral, também existem aspectos individuais que você deve considerar. Um dos principais é que eles preveem o investimento em empresas de capital fechado, ou seja, que não são negociadas na bolsa de valores.

Portanto, são diferentes de fundos de ações, por exemplo. Ainda, esses veículos são oficialmente conhecidos como fundos de investimento em participações (FIP).

Como funcionam os fundos de private equity?

Para entender o conceito desses fundos, é necessário compreender como eles funcionam. Aqui, um ponto de destaque é a alocação de recursos, feita considerando empresas de capital fechado e que já apresentem lucros consistentes.

Assim, o objetivo do fundo de private capital é aproveitar o potencial de geração de resultados por parte de empresas que não estão disponíveis na bolsa de valores. Logo, cabe ao gestor escolher quais companhias podem compor o portfólio, em busca dos melhores resultados.

Vale ressaltar que a intenção principal do investimento é fornecer as condições necessárias para que a empresa evolua e possa se consolidar. Muitas vezes, o investimento em private equity precede a abertura de capital na bolsa, pois prepara o negócio para essa etapa.

Em relação aos rendimentos, eles podem ser obtidos de duas maneiras. A primeira é pelo aumento do preço de venda das cotas da empresa, comparado ao custo da compra. Isso acontece pelo aumento do capital social, que indica o sucesso do empreendimento.

Além disso, é possível obter ganhos pela distribuição de dividendos e lucros. Por mais que o investimento seja feito em empresas que estão fora da bolsa, esse tipo de pagamento pode estar previsto no estatuto social.

Ainda, é preciso entender como funciona a tributação. O Imposto de Renda é cobrado com alíquota de 15% sobre o ganho de capital obtido pela venda das cotas. Ele também incide em caso de resgate, seguindo o mesmo percentual.

Quais as diferenças entre private equity e venture capital?

Além das características de funcionamento que você conferiu, é necessário entender a distinção entre os termos private equity e venture capital. Embora ambos prevejam o investimento privado em empresas de capital fechado, eles não são sinônimos.

Nesse cenário, o que os difere é a situação do negócio. No caso do private equity, o foco está em companhias consolidadas e que já têm bom nível de lucro. A ideia é ajudar o empreendimento a evoluir e conseguir um desempenho melhor.

O investimento em venture capital, por sua vez, foca em empresas que estão em desenvolvimento. É o caso dos negócios que já têm uma oferta e um público, mas não se consolidaram em termos de desempenho.

Portanto, é como se o investimento em venture capital estivesse um passo atrás do private equity, o qual está atrás de uma oferta pública inicial (IPO). Funciona como se houvesse uma escala indicando a evolução da empresa e das formas de investir na companhia.

Quais são os benefícios desse investimento?

Conhecer o fundo de private equity também significa reconhecer quais são as vantagens associadas a ele. Uma das principais é a possibilidade de participar do processo de evolução de uma empresa por meio do investimento.

No caso da compra de ações, por exemplo, nem sempre isso é possível — e dependerá do tipo de papel e do volume adquirido pelo investidor. Outro motivo é que a abertura de capital costuma indicar que o negócio passou por processos intensos de evolução, superando essa etapa.

Por outro lado, o private equity traz a oportunidades de acompanhar toda a evolução da companhia. Ademais, essa é a opção com menor risco quando se trata de investimento privado em empresas de capital fechado.

Como os empreendimentos já estão relativamente consolidados, há um nível maior de segurança com o aporte. Outro benefício é a grande variedade de estratégias e de companhias disponíveis. Afinal, ele traz oportunidades distintas daquelas que estão presentes na bolsa de valores.

Quais são os riscos de um fundo de private equity?

Apesar dos benefícios associados, o fundo de private equity tem riscos que não podem ser ignorados. O principal é o risco de mercado, porque existe a chance de a empresa não alcançar os resultados esperados. No caso, a valorização pode não ser suficiente, por exemplo.

Também é preciso contar com uma gestão muito qualificada. Isso é necessário porque os impactos de uma tomada de decisão errada são maiores nesse caso, o que exige um bom preparo.

Para quem esses fundos são adequados?

Após ponderar pontos positivos e os riscos do fundo de private equity, é possível ter uma visão mais clara sobre os investidores que podem se beneficiar. Normalmente, quem tem perfil moderado ou arrojado tende a aproveitar melhor o investimento por causa da maior tolerância ao risco.

Além disso, é preciso estar disposto a manter o capital alocado por longos períodos. Não é incomum que o valor fique aportado por prazos maiores, entre 5 e 10 anos. Então, se você precisa de uma alternativa com alta liquidez, essa pode não ser a escolha ideal.

Também é importante notar que a maioria deles é voltada para investidores qualificados. Ou seja, é preciso ter, no mínimo, R$ 1 milhão aplicado em seu nome ou uma certificação financeira reconhecida. Porém, novos fundos do tipo têm sido emitidos de forma mais acessível.

Caso deseje investir, é possível adquirir as cotas dos fundos disponíveis sem sua corretora de valores. No entanto, tenha atenção com as condições, como o período de investimento, valor mínimo e estratégia adotada.

Como você pôde notar, o fundo de private equity realiza investimentos em empresas privadas de capital fechado. Com ele, os negócios ganham apoio na evolução e os investidores podem ganhar com o avanço nos resultados ao longo do tempo.

Quer tirar dúvidas sobre esses e outros caminhos disponíveis no mercado financeiro? Então entre em contato conosco da HCI Invest e conheça nosso serviço de assessoria!


Compartilhe: